Sob o Paradigma do Blasfemo. Para quê Mundo se Há Poesia?

  • Teresa Filipe
Palavras-chave: Poesia, Mundo, linguagem, Heidegger, Eduardo Lourenço

Resumo

O presente artigo procura articular a noção heideggeriana de poesia enquanto linguagem fundamental do ser com a questão pessoana, desenvolvida por Eduardo Lourenço, de explosão de identidade e simultaneamente perda de realidade e de mundo. A partir de uma meditação crítica sobre os conceitos envolvidos procuraremos mostrar o carácter ontológico da poesia enquanto forma originária de ser.
Publicado
2015-07-27
Como Citar
Filipe, T. (2015). Sob o Paradigma do Blasfemo. Para quê Mundo se Há Poesia?. ELyra: Revista Da Rede Internacional Lyracompoetics, (5). Obtido de https://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/78
Secção
Artigos