Experiência e Testemunho nas Cercanias do Fim em Jorge de Sena e Edgar Allan Poe

  • Lígia Bernardino
Palavras-chave: Jorge de Sena, Edgar Allan Poe, fim, morte, humanidade, experiência, testemunho, sobrevivência

Resumo

Morte como experiência a superar; morte como tentação que impele ao questionamento: estas são duas perspetivas possíveis que Jorge de Sena e Edgar Allan Poe exploram respetivamente no poema “A morte, o espaço, a eternidade” (publicado em 1963 na obra Metamorfoses) e no conto “The descent into the maelström”, publicado em 1841. A proximidade temática não invalida divergências de abordagem, mas reflete o consistente interesse manifestado por estes autores na análise das capacidades humanas e no exercício da inteligência como fator determinante para a sobrevivência. Confrontado com o fim do mundo (e este tanto pode ser uma experiência individual como um acontecimento global), o homem observa, analisa, deduz, reflete. Nestes autores, a morte manifesta-se enquanto topos estruturante. Os dois textos abordam experiências nas cercanias do fim, atestando a vontade humana de vencer a morte, numa atitude de vigilância permanente impeditiva de uma verdadeira escapatória à pulsão da morte.

Publicado
2015-07-27
Como Citar
Bernardino, L. (2015). Experiência e Testemunho nas Cercanias do Fim em Jorge de Sena e Edgar Allan Poe. ELyra: Revista Da Rede Internacional Lyracompoetics, (5). Obtido de https://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/75
Secção
Artigos