eLyra: Revista da Rede Internacional Lyracompoetics http://www.elyra.org/index.php/elyra <h4><em>eLyra</em> é publicada pela rede de investigação internacional <a title="lyracompoetics" href="http://ilcml.com/lyracompoetics/" target="_blank" rel="noopener">LyraCompoetics</a>.</h4> <p>Privilegiando instrumentos teóricos comparatistas e valorizando perspectivas interartísticas, <em>eLyra</em> pretende contribuir para o conhecimento da poesia moderna e contemporânea, promovendo a sua leitura crítica no contexto de problemáticas de âmbito transnacional.</p> <p>Concebida como um espaço de confronto de ideias,<em> eLyra</em> divulga o trabalho desenvolvido no âmbito da rede LyraCompoetics e acolhe contribuições de outros investigadores interessados em pensar hoje a poesia, a arte e a cultura.</p> pt-PT ilc@letras.up.pt (Lurdes Gonçalves) revista@elyra.org (Lurdes Gonçalves) Sex, 28 Dez 2018 00:00:00 +0000 OJS 3.1.1.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 O lirismo impossível: poesia e litanias http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/271 <p>O ensaio discute o caráter artificioso da poesia. Haveria similaridade com o que ocorre não com textos ordinariamente chamados místicos, mas com poemas místicos, quando são verdadeiramente poemas (de que seriam bom exemplo poemas de São João da Cruz). Nesse sentido, a litania forneceria um bom contraponto, por se constituir em gênero que parece apostar na convergência entre o sujeito que ora e o destinatário de sua oração. Astier propõe a reaproximação entre litanias religiosas e um poema de T. S. Eliot, que se confere andamento de litania e se propõe como poema efetivo e falsamente litânico. A comparação entre uma forma prescrita pela tradição e a estrofe do “Ash Wednesday" (que a evoca) é combinada com o exame de dois poemas intitulados "Dévotion", um de Rimbaud, outro de Bonnefoy, sendo que o segundo se apresenta como prolongamento do primeiro. São dois poemas de invocação nos quais o sujeito lírico se projeta até o ponto de quase desaparecer da cena verbal. Ambos se reaproximam da postura implicada pela recitação de litanias, em especial pela atitude exclamativa, estudada por Valéry, Octavio Paz e Maulpoix. Astier enfatiza a necessidade de focar não a fugacidade da exclamação, mas a atitude psíquica que revela. Como na mística, em que a contemplação procederia de um esvaziamento do sujeito, também as fórmulas verbais exclamativas revelariam a síncope de um sujeito, seu silêncio, sua inação. O sujeito lírico, aspirado pelo mundo e pelo objeto de seu desejo é transportado. O êxtase, no sentido original, procederia deste transporte. Nas litanias, com efeito, o processo é simples e repetitivo, reorganizando a contemplação de verso em verso, sem progressão. Esta forma é tomada de empréstimo por Eliot, mas o poema desenvolve, de uma perspectiva religiosa explícita, uma meditação sobre o poder da palavra poética. O ensaio também aborda pelo menos dois recursos paralelos aos procedimentos exclamativos. O primeiro se relaciona com um retorno à narração e o segundo à própria música e suas suspensões.</p> Gabrielle Althen (Colette Astier); Francine F. Weiss Ricieri, Maria Lúcia Dias Mendes ##submission.copyrightStatement## http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/271 Ter, 29 Jan 2019 10:17:03 +0000 Reescrever é desfazer tranças http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/270 <p>Escrever é sempre reescrever ou reinscrever o outro no texto que se tece. Um exercício de alteridade constante. Procura-se aqui focalizar esse exercício tendo a poesia como guia para uma leitura do conto de fadas, como um exercício de reescritura como performance crítica da própria escrita. Este artigo pretende apresentar uma reflexão analítica de duas narrativas para crianças, de Ana Maria Machado e de Chico Buarque de Holanda.</p> Susana Busato ##submission.copyrightStatement## http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/270 Sex, 28 Dez 2018 23:58:18 +0000 Leitura de “barbie em diagonal”, de Vasco Graça Moura http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/269 <p>O objetivo deste texto é analisar o soneto “<em>barbie</em> em diagonal”, de Vasco Graça Moura, incluído no livro <em>Uma Carta no Inverno</em> (1997), à luz do intertexto que propõe com fontes canônicas da lírica moderna. Para isso, inicialmente se discute a posição do poema no conjunto a que pertence, “as tentações”, no qual o sujeito passeia por discotecas, cruzando com “<em>barbies</em>” e mulheres “pernilongas e lascivas”, em um confronto com o desejo que o leva a “esquadrinhar a consciência à lupa”. Procura-se então mostrar brevemente como o poema analisado questiona de modo exemplar as relações entre poesia e experiência ao convocar um tópico moderno por excelência – o <em>topos</em> da passante, que tem em um soneto de Baudelaire seu exemplo mais notável.</p> Luisa de Aguiar Destri ##submission.copyrightStatement## http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/269 Sex, 28 Dez 2018 23:30:54 +0000 Reescritas e palinódia na poética de Joaquim Manuel Magalhães http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/268 <p>O processo por que passa a obra do poeta português Joaquim Manuel Magalhães envolve a gradativa radicalização da reescrita até a assunção da palinódia. A recusa do conjunto de sua obra ocorre em 2010, quando Magalhães publica <em>Um Toldo Vermelho</em>. Objetiva-se compreender, na obra de Magalhães, o percurso de recusa e instauração da palinódia, assim como sua reescrita pautada em revisões de termos, alcance de imagens e sonoridade mais poéticas, eliminação de parte considerável do poema e consequente mudança de sentido. A descrição e análise do modo de enunciação da palinódia e da enumeração, adotadas pelos eus poéticos de <em>Um Toldo Vermelho,</em> produzirão algumas hipóteses interpretativas das transformações estéticas da poesia de Magalhães.</p> Fabiane Renata Borsato ##submission.copyrightStatement## http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/268 Sex, 28 Dez 2018 23:11:16 +0000 "A natureza variável das palavras": A colagem poética na poesia de Carlos de Oliveira http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/267 <p>O propósito do estudo é discutir a maneira com a qual Carlos de Oliveira emprega o recurso da colagem poética em dois textos: “Retrato do autor por Camilo Pessanha (colagem)”, publicado em <em>Terra de Harmonia</em> (1950), e “Colagem com versos de Desnos, Maiakovski e Rilke”, de <em>Sobre o Lado Esquerdo</em> (1968). A escolha se deve ao fato de que ambos são declaradamente colagens, como informa o título de cada um deles. Na investigação, intenciona-se perceber como o poeta da Gândara tem condições de dialogar com a obra de outros autores, de modo a criar um texto seu. Assim sendo, percebe-se, para mencionar os dizeres do poema “Lavoisier”, também publicado em <em>Sobre o Lado Esquerdo</em>, que cada poema pode, enfim, sonhar outra forma, o que revela um aspecto intertextual da poesia de Carlos de Oliveira.</p> Patrícia Resende Pereira ##submission.copyrightStatement## http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/267 Sex, 28 Dez 2018 23:00:52 +0000