O Feito, a Gesta e o Olhar: o Oriente nas Navegações de Sophia de Mello Breyner Andresen

  • Catarina Nunes de Almeida
Palavras-chave: Sophia de Mello Breyner Andresen, Orientalismo Português, Poesia Contemporânea, Poética da Viagem, Poética da Navegação

Resumo

Apesar do imaginário de Sophia de Mello Breyner Andresen se fixar essencialmente na mitologia clássica, o apego à temática marítima também a guiará ocasionalmente ao Oriente, ao encontro de uma cartografia histórica perdida no tempo e merecedora de um longo olhar. O êxtase desse olhar inicial é o que nos deixa, precisamente, em Navegações (1983), obra que escreve a partir de uma viagem a Macau, ocorrida em 1977 a convite do Conselho da Revolução, onde iria tomar parte em celebrações do Dia de Camões. Segundo a autora, foi nessa viagem que se deu o primeiro encontro com o Oriente e dessa revelação, desse subtil maravilhamento, nasceria o precioso conjunto de poemas que nos propomos analisar. Porém, o tema desse encontro não se restringe unicamente a esta obra: a escrita de Sophia convoca com frequência imagens do Oriente que nos remetem para momentos inaugurais do percurso pátrio, as quais serão também trazidas a reflexão neste estudo.

Como Citar
Almeida, C. (2014). O Feito, a Gesta e o Olhar: o Oriente nas Navegações de Sophia de Mello Breyner Andresen. ELyra: Revista Da Rede Internacional Lyracompoetics, (4). Obtido de http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/58
Secção
Artigos