A tradução de "Crusoe in England" de Elizabeth Bishop

  • Paulo Henriques Britto
Palavras-chave: Elizabeth Bishop, “Crusoe in England”, tradução de poesia, verso polimétrico

Resumo

O poema “Crusoe in England”, de Elizabeth Bishop, à primeira vista composto em verso livre, é na verdade um exemplo de polimetria: os versos são de metros diferentes, mas cada um se conforma a um padrão de metrificação tradicional do inglês, com predomínio do pentâmetro jâmbico, o mais comum do idioma. No poema, o pentâmetro representa o não-marcado, e os versos mais curtos assinalam as passagens mais dramáticas. Na tradução, nem sempre foi possível utilizar versos portugueses de corte tradicional, mas os “versos bárbaros” empregados podem em muitos casos ser analisados como versos compostos. Evitou-se o uso de inversões sintáticas com o fim de regularizar a métrica porque o tom coloquial do poema seria prejudicado.
Como Citar
Britto, P. H. (2017). A tradução de "Crusoe in England" de Elizabeth Bishop. ELyra: Revista Da Rede Internacional Lyracompoetics, (9). Obtido de http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/170
Secção
Ensaio